A alimentação no tratamento do refluxo

A alimentação é fundamental para o tratamento e melhora dos sintomas relacionados ao refluxo gastroesofágico. Na maior parte das vezes, apenas com o uso de medicação sem orientação formal de um nutricionista o paciente continua apresentando sintomas.

Para um tratamento nutricional eficiente e adequado é preciso avaliar a presença de outros quadros clínicos associados como a gastrite com ou sem presença da bactéria H. pylori, úlceras ou hérnia de iato.

O estômago, nos humanos, é um órgão digestivo em forma de bolsa, situado por debaixo do diafragma, no lado esquerdo do abdome. Apresenta duas comunicações: uma superior chamada cárdia, que o liga ao esôfago, e
outra inferior, chamada piloro, que o liga ao intestino delgado. Duas válvulas de músculo liso, ou esfíncteres, mantêm os conteúdos do estômago em seu interior. Elas são chamadas de esfíncter esofágico, ou cardíaco, e o esfíncter pilórico, separando o estômago do intestino delgado.

Se o esfíncter não fechar bem, tudo o que a pessoa comeu, bebeu e até mesmo o suco gástrico (que é muito ácido) usado na digestão pode vazar de volta para o esôfago. Isso é chamado de refluxo gastresofágico. Esse refluxo pode causar irritação na parede do esôfago, gerando os sintomas característicos da doença do refluxo gastroesofágico.

Alguns sintomas são característicos da doença de refluxo
gastroesofágico:

 Azia
 Dor no peito
 Dificuldade para engolir
 Tosse seca
 Rouquidão
 Dor de garganta recorrente
 Regurgitação e refluxo de suco gástrico
 Inchaço na garganta
 Náusea após refeições.

Para o tratamento nutricional eficiente do refluxo é preciso adequar a produção de enzimas digestivas, mas na presença de gastrite, inicialmente, será necessário tratá-la. Evite alimentos irritantes como pimenta, café, chocolate, refrigerantes, condimentos fortes etc. e inclua alimentos e fitoquímicos cicatrizantes de mucosa como chás de camomila, espinheira santa, guaçatonga, legumes cozidos e frutas. Além disso, de maneira orientada e individualizada, pode ser interessante a suplementação de alguns ativos como probióticos, glutamina, fibras
solúveis, aloe vera etc.
Para tratar o refluxo algumas orientações nutricionais são:
 Evite deitar-se imediatamante após as refeições, o ideal é aguardar um intervalo de 2 horas.
 Alimentos que diminuem a pressão do esfíncter esofágico ou cardíaco como chocolate (fonte de metilxantina), álcool, condimentos e carminativos (canela, cravo, hortelã, menta, pimenta), cafeína (café, chá preto, chimarrão, chá mate), chá de hortelã, refrigerantes, doces, frutas cítricas (limão, laranja, lima, laranja lima), alimentos gordurosos. Mesmo o café descafeinado pode causar desconforto.
 Eleve a cabeceira da cama 15 a 20cm, pois facilitará o esvaziamento gástrico e evitará que o conteúdo do estômago reflua. Durma virado para o lado esquerdo.
 Fracione a dieta, não fique muito tempo sem se alimentar.
 Não tome líquidos junto ou muito próximo às refeições (somente 30 minutos antes ou 1 hora após).
 Evite roupas apertadas na cintura.
 Mantenha seu peso adequado.
 Evite bebidas alcoólicas.
 Evite leite e derivados, inclusive queijos brancos ou amarelos, iogurtes, creme de leite, leite sem lactose, etc.
 Evite balas, chicletes, biscoitos recheados.
 Alimentos industrializados devem ser evitados também, já que eles são acrescidos de irritantes como acidulantes, conservantes, aromatizantes e corantes.
 Coma devagar e mastigue bem os alimentos para não sobrecarregar a atividade do seu estômago, lembre-se que o estômago não tem dentes!
 Consumir, 30 minutos antes da refeição, uma colher de vinagre de maçã orgânico ou sumo de ½ limão diluído em 100 ml de água ou uma xícara de chá de alecrim ou uma colher de sopa de óleos virgens como o de abacate ou de macadâmias ou amêndoas ou uma colher de sopa de sementes (girassol e abóbora sem sal). Essas estratégias
estimulam a produção de enzimas digestivas favorecerem a digestão adequada, melhorando o fechamento adequado dos esfíncteres e o esvaziamento gástrico.
 Consuma bastantes alimentos verdes e vivos como verduras,
legumes e frutas.
 Procure uma orientação individualizada.

29 de novembro de 2017


Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*