A briga no Entorno pela vice na sucessão de Perillo

Do ponto de vista econômico – salvo raras exceções – o Entorno do DF é o primo pobre das demais regiões goianas. Sob o aspecto político, entretanto, é cada vez maior a importância dos mais de 20 municípios que compõem o que tecnicamente é chamado de Região Integrada de Desenvolvimento Econômico do DF.

Com mais de 4,3 milhões de habitantes e 750 mil eleitores, o Entorno é um butim eleitoral que não pode ser desprezado por quem pretende disputar o governo de Goiás no próximo ano. E ninguém sabe melhor disso que o próprio governador Marcone Perillo, que já ganhou essa disputa quatro vezes e agora sonha em emplacar um sucessor da mesma forma que conseguiu em 2006, quando emplacou seu então vice-governador Alcides Rodrigues.

Perillo já sinalizou que, desta vez, poderá priorizar a escolha de um político do entorno para compor a chapa majoritária, provavelmente na condição de vice. E aí surgem três nomes na disputa, todos eles atualmente filiados ao partido do governador, o PSDB.

O principal é o deputado federal Célio Silveira, que possui  antiga ligação com o governador, tendo sido inclusive presidente da Assembléia Legislativa de Goiás no segundo mandato de Perillo. Também muito próxima do chefe do executivo goiano, a ex-prefeita de Valparaiso, Leda Borges, é outro nome que tenta se cacifar para ganhar a vaga de vice na disputa do próximo ano. Recentemente, Lêda trombeteou aos quatro ventos ser trabalho dela a filiação de três prefeitos do Entorno ao PSDB.

O terceiro nome é o do prefeito de Águas Lindas, Hildo do Candango. Cristão novo nos quadros tucanos, Hildo reelegeu-se no ano passado, fato inédito na curta história política do maior município goiano vizinho do DF. Além de não ter tradição no PSDB, pesa contra Hildo a longa parceria que manteve com dois expoentes do PTB: o deputado federal goiano Jovair Arantes e o ex-senador do DF Gim Argelo, hoje preso por conta de processos da Operação Lava-jato.

Conselheiros próximos a Perillo sempre alertam o governador que o primeiro mandato de Hildo foi turbinado por vultosos recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo Federal, e que Gim era o padrinho mais vistoso apresentado pelo prefeito de Águas Lindas em suas andanças pelos gabinetes de Brasília nos anos áureos dessas liberações, entre 2013 e 2014.

22 de agosto de 2017