Abadia pode ter dado tiro na própria asa

“Em tempos longínquos tucana de alta plumagem, a ex-governadora Maria de Lourdes Abadia amarga mais de dez anos de ostracismo, sem mandato”. Assim um deputado federal do PSDB  no nordeste, que  prefere ainda não  falar abertamente,  define a hoje Secretaria do governo socialista de Rodrigo Rollemberg. O desprezo do deputado  foi  externado após a confusão envolvendo militantes ligados a Abadia e ao único deputado federal do PSDB no DF, Izalci Lucas.

Este deputado diz que já  pensa em levar à nova Executiva Nacional do PSDB um pedido de expulsão de Maria de Lourdes Abadia e de outros tucanos brasilienses que aderiram ao governo Rollemberg, como o suplente de deputado distrital Virgílio Neto.

A irritação da cúpula nacional é que a briga entre militantes brasilienses atrapalhou o discurso prioritário da nova executiva comandada pelo governador de São Paulo Geraldo Alckmin, que é o da união do partido.  Apesar de ter havido agressões mútuas, o tucano nordestino considera que os responsáveis pela confusão foram Abadia e Virgílio Neto, cujos apoiadores carregavam faixas agressivas a Izalci, mas que acabavam resvalando no partido como um todo. As palavras que mais irritaram foram golpista, intervenção e ditador.

Já os apoiadores de Izalci carregavam faixas que iam ao encontro do que prega a nova executiva, destacando a união partidária e a necessidade de mudanças tanto na política nacional quanto na local. Dos mais atuantes tucanos no Congresso, Izalci goza da simpatia de boa parte da bancada federal do PSDB, o que pode contar muitos pontos na pendenga paroquial do DF. E Rollemberg, que chegou a entrar na convenção tucana mas saiu de fininho por causa de mais uma sonora vaia, pode em breve pedir de volta os cargos que ofereceu aos possíveis ex-tucanos.

10 de dezembro de 2017


1 Comentário

  1. Geraldo eu acho que nem um desses
    Tem uma bagagem pra isso.
    Primeiro lugar , não tem carisma e são
    Mal assessorado.eu já participei dos grupos, sair pois não achei espaço para trabalhar, grupo engessado, que não pensa em coletivo.so pensa no seu bem estar. Obs: se isso não mudar, coisa que acho difícil, vai ser um catástrofe. Principalmente com os responsáveis pelo o grupo de Planaltina df. Vcs vão ver, mais um tiro no pé.(conhecimento, carisma, respeito, consideração, coletivo ). Isso eu chamo de trabalho?
    Nós vivemos de resultados. E quem fala pela gente são as urnas. Na política não admite erro ? Eu trabalho assim, e penso assim.

Comentários não permitidos.