Atividade física começa pela maneira como você pensa

Por André Pontes

Quem você conhece que precisa fazer atividades físicas mas nunca se encorajou o suficiente para começar? E você conhece alguém que já tentou fazer atividade física e não conseguiu continuar? Por que as pessoas iniciam e param? E porque até mesmo pessoas que já tinham uma rotina de longa data em práticas de atividades físicas interrompem e tendem a não continuar? Isso é assunto para vários livros, mas vamos tentar resumir de forma que você entenda mais sobre essas dificuldades e possa adaptar à sua própria realidade.

Atividade física regular significa saúde e qualidade de vida. Você precisa dela.

Poderíamos começar listando algumas das principais dificuldades que as pessoas enfrentam ao iniciar um programa de atividade física, mas prefiro começar dizendo a verdade de forma direta e sem açúcar: quem não faz atividade física é porque não tem um motivo suficientemente forte para isso nem tampouco sabe o quanto a cabeça pode ser poderosa nesse momento. Quando suas razões são fortes, seu tempo aparece, seu trabalho dá um tempo, seus problemas de saúde diminuem e sua preguiça vai embora. Qualquer objeção some quando o valor da atividade física é alto. Depende de você elevar o valor dessa rotina em sua vida. Quando seus pensamentos são manejados da forma correta, mesmo uma motivação pequena pode se tornar poderosa. Não à toa atletas de alto rendimento têm fortíssimos componentes de inteligência emocional. Podemos e devemos aprender com eles.

Um estudo da Universidade canadense Simon Fraser descobriu que o sistema nervoso central humano é geneticamente programado e trabalha ininterruptamente para reduzir o gasto de energia, tornando o ser humano ‘preguiçoso por natureza’. Aprender como sua cabeça funciona é primordial. Começar a treinar por instinto vai durar exatamente o mesmo tempo que a preguiça demora a aparecer.

Entenda que você age de acordo com suas escolhas. Para provar isso, um estudo realizado nos EUA pela Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS), mostrou que, ao fazer uma escolha, você passa por três processos:

  1. Seu cérebro decide o que você vai fazer;
  2. Essa decisão aparece na sua consciência (cria-se uma imagem baseada em suas informações e experiências), o que transmite a sensação de que você está tomando a decisão de forma racional;
  3. Você age de acordo com a imagem criada

Sabendo disso, vamos começar a solucionar o problema. Informações geram pensamentos, que geram ações e que por sua vez geram resultados. Pergunte-se: que imagem é projetada em sua mente quando você pensa em atividade física?

Se o seu cérebro reage à imagem da atividade física como algo doloroso e penoso, procure fazer exatamente o contrário e direcionar as seus pensamentos para algo que gere prazer associado à atividade física, principalmente voltado para sua diversão e autoimagem. Criar uma imagem de que o local que você pretende frequentar é um ambiente barulhento, malcheiroso e tomado por pessoas intimidadoras não é o pensamento correto, até porque isso é uma imagem muito distante da realidade. Da mesma forma, se você visualiza um ambiente caloroso, acolhedor, com um visual agradável e pessoas novas e receptivas, que se identificam com as suas dificuldades e já encontraram uma maneira de superá-las, fará com que todo o processo se torne divertido e empolgante. Você saberá que está no local correto e a meio caminho do seu objetivo.

Faça questão do convívio social – ele é um dos fatores mais relevantes. Já que a genética da preguiça nos atinge, vamos usar uma das nossas outras necessidades genéticas (a da socialização) como contraponto. Procure se conectar rapidamente a uma pessoa ou um grupo que faça regularmente o que você pretende fazer e com o qual voc. O entusiasmo delas vai contagiar você. Atividades em grupo ou em meio a grupos tendem a ser muito mais eficientes por diversos motivos, e dentre os principais estão:

  • você quer evoluir porque os outros membros do seu grupo estão evoluindo
  • você se sente bem por pertencer a um grupo que lhe proporciona algo de bom
  • sua regularidade é significativamente maior ao se socializar

Esse assunto é muito extenso e ainda vamos falar bastante sobre ele. Por enquanto, vamos finalizar com a seguinte dica: tome suas decisões de forma consciente. Use a carga genética a seu favor. Use a informação correta em seu benefício. Sua forma de encarar a atividade física – é aqui onde você cria sua própria solução definitiva para a dificuldade em iniciar ou retornar. Experimente algo que você possa gostar. Inicie uma parceria! Compartilhe esse texto com alguém com quem você gostaria de conviver num ambiente saudável diariamente. Encontrem algo que gostem de fazer. Proponham-se a começar juntos. A parceria amplia as possibilidades de ambos terem resultados significativos. Ah! Uma última dica importante: pelo menos 4 vezes por semana! Falaremos sobre isso no próximo post. Fique ligado!

Mens sana, corpore sano. Nos vemos em breve!

20 de agosto de 2017