Cadastro irregular na Uber: órgãos do GDF preferem ignorar problema e fazer jogo de empurra

Foto: Dênio Simões/Agência Brasília

Por Isabela de Oliveira

Órgãos do Governo do Distrito Federal preferem ignorar o problema de fraude no cadastramento Uber, denunciado nesta quinta-feira pelo Extrapauta, e fazer jogo de empurra. Após a publicação da primeira reportagem, o Portal contatou Polícia Civil (PCDF), Polícia Militar (PMDF) e Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob): a PCDF  tira o corpo fora, a PMDF não sabe informar sobre o assunto e a Semob promete fiscalizar.

Breve, o posicionamento da Polícia Civil é polêmico. Via assessoria de imprensa, a PCDF diz que não há investigação sobre o fato na Coordenação de Repressão aos Crimes Contra o Consumidor, à Ordem Tributária e a Fraudes (CORF) e ressalta que a vítima das fraudes nos cadastros é apenas Uber, apesar de existir, em plena rede social, anúncios de pessoas vendendo documentos falsos a outras e de o usuário contratar o serviço acreditando no total controle e filtragem da empresa em relação aos seus motoristas parceiros. A PCDF não informa qual procedimento para denúncia desta natureza.

A resposta da Semob também não dá um posicionamento claro do GDF sobre o assunto. Embora frise que a responsabilidade pelo cadastramento de prestadores do Serviço de Transporte Individual Privado de Passageiros (STIP) é das empresas operadoras que habilitaram seus aplicativos junto à pasta, a Secretaria ressalta que ela, na condição de órgão fiscalizador, desenvolve rotinas de vigilância e controle que envolvem também a conferência do cadastro dos veículos e dos motoristas que operam no Sistema.

Até o momento, não há denúncia da burla dos cadastros junto à Secretaria e nem flagrante durante as fiscalizações. A pasta informa que caso seja detectada alguma irregularidade, os condutores que fraudaram os cadastros ficam sujeitos a multa e podem ser conduzidos para a delegacia especializada para o adequado enquadramento criminal. “As empresas operadoras também estão sujeitas a penalidades que vão desde multa até o descredenciamento do Sistema”, acrescentou, em nota, a Semob. Veja como denunciar uma irregularidade no transporte aqui.

Em relação à PMDF, não há registro no sistema de nenhuma ocorrência sobre a atuação de motoristas não cadastrados devidamente na plataforma. “ O trabalho da Polícia Militar é ostensivo e preventivo, não atuamos em investigações de crimes já ocorridos”, ressalta a corporação. Mas caso haja desconfiança sobre a identidade do motorista Uber e o passageiro sinta-se em risco, a Polícia Militar é acionada pelo número 190.

4 de Janeiro de 2018


Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*