Chegue aos 40 e projete os 80

Por André Pontes

Sempre achei divertido ouvir as pessoas falando que é complicado chegar na fase dos “enta”. Completei 40 anos esses dias e me cuido muito, com atividades físicas regulares, suplementos de diversos tipos e presto muita atenção à qualidade do meu sono, além de trabalhar minha cabeça com leituras constantes e planejar meu futuro financeiro para não ser tão atingido pelas estripulias dos nossos políticos. Tudo isso faz parte de um estilo de vida saudável e, muito mais que cuidar do meu corpo, escolhi cuidar de outros aspectos que, quando nos geram carga de stress, tenho certeza que o organismo somatiza.

Fisiologicamente falando, sua mente controla seu corpo e faz com que ele envelheça mais rápida ou lentamente, dependendo das cargas de stress que aplica sobre ele. Temos que lembrar que sua saúde é resultado dos seus hábitos, e se quiser chegar bem no final dos seus dias – e com isso quero dizer que você será independente até lá – precisa tomar as atitudes corretas regularmente. O que quero dizer com “corretas”? São as atitudes que vão levar você aos seus resultados. É o princípio do plantio e da colheita.

O avanço da idade, especialmente a partir dos 40 anos, traz perdas fisiológicas significativas de vitalidade, massa óssea e massa muscular, entre outras tantas perdas. Apesar de ser a idade mais ativa intelectualmente, é a fase em que o corpo começa a cobrar seu preço. Anteriormente, apresentei estatísticas sobre obesidade que demonstram aumento exponencial da massa gordurosa em indivíduos entre os 25 e os 40 anos – coincidentemente quando a disposição e a necessidade de trabalhar são grandes. Os dados revelam também que os problemas de saúde mais severos se iniciam a partir dos 40, quando o corpo não tem mais a mesma capacidade de regeneração que tinha poucos anos antes. A necessidade de sono e descanso, falta de disposição e vitalidade, problemas associados ao acúmulo de radicais livres no organismo e suas ações degenerativas como doenças cardiovasculares, derrames e câncer têm alta incidência nesse período.

Estive lendo vários textos e estudos a respeito do tema e me incomodou o fato de a quase totalidade deles apresentar sempre os problemas, desde os relacionados ao avanço da idade, ao surgimento de doenças a partir do estilo de vida inadequado, mas dificilmente apresentam soluções práticas. Então faço questão de apresentar essas soluções, de forma resumida, pois foram abordadas de maneira mais completa anteriormente nesta coluna. Então:

– Atividade física, assim como outros aspectos de um estilo de vida saudável, começam pela forma como você pensa. Informações não faltam para que você se convença disso. O primeiro passo é adotar pensamentos direcionados para o seu bem-estar, que posteriormente se tornarão hábitos (quando você passa a agir de acordo). Recomendo fortemente que você separe mais 6 minutos para a leitura do primeiro texto desta coluna (http://extrapauta.com.br/atividade-fisica-comeca-pela-maneira-como-voce-pensa/);
– Beba água, muita e sempre! Os benefícios da boa hidratação são imensos e vão desde a melhora na função intestinal até à atuação no metabolismo de gordura. Consumo adequado de água diariamente faz parte de um estilo de vida saudável;
– Planeje-se. Planejamento também é hábito e influencia todas as áreas da sua vida, a saúde é uma delas. Pensar em curto, médio e longo prazos permite que você faça bem feito e alcance seus objetivos com tranquilidade. Habitue-se a criar pequenas metas;
– Saúde é para sempre. Os pilares da sua saúde física são: boa alimentação e hidratação, atividades físicas e… Mentalidade! Isso mesmo! Fazer escolhas sábias para alimentar o cérebro é tão importante quanto escolher bem os alimentos para o corpo, e as consequências das más escolhas são óbvias para ambos;
– Se for fazer, faça bem feito. Sejamos francos (como sempre): não adianta fazer um enorme esforço para iniciar e não dar continuidade no que você quer, isso só gera frustração e descrença. Fazer bem feito desde o início gera resultados rápidos e o coloca em um ciclo positivo, no qual você faz, obtém resultados satisfatórios e o motiva a fazer mais e melhor, até que surge o hábito e isso se torna parte do seu dia a dia e do seu estilo de vida.
Para finalizar, quero deixar registrado que, apesar de eu mesmo já ter incorporado uma série de hábitos, cometo deslizes frequentemente e ainda falho em outras áreas que considero chaves para um futuro brilhante – isso não é de todo ruim, pois considero que me impulsiona para o crescimento. Com isso, afirmo categoricamente que a vantagem de termos hábitos saudáveis é que os deslizes são exceções, o que nos permite fazer tudo o que gostamos sem nos prejudicar significativamente, seja na saúde física ou mental.

Mens sana in corpore sano (isso nunca foi tão verdadeiro)! Até a próxima!

20 de novembro de 2017