Comércio otimista com Dia da Criança

Os empresários do comércio do Distrito Federal estão confiantes com a próxima data comemorativa. Segundo levantamento realizado pelo Instituto Fecomércio, o Dia das Crianças deve gerar um crescimento de 26,54% nas vendas em relação ao mesmo período do ano passado. Em 2016, a expectativa de vendas foi mensurada com alta de 3,71%. O estudo foi realizado com 400 empresários de 13 segmentos. Entre os empresários entrevistados, 67,8% declararam que aguardam vendas maiores do que no ano passado, 20% apostam em vendas iguais e 12,2% acreditam que as vendas serão menores.

O presidente da Fecomércio, Adelmir Santana, explica que os segmentos de Loja de Departamento; Eletroeletrônico; e Loja de Variedades lideram o ranking entre os mais otimistas para o período, registrando expectativa de crescimento nas vendas na ordem de 56,41%, 48,54%, e 37,74%, respectivamente. “Vale ressaltar que a expectativa otimista de vendas do lojista tem crescido e 2017 teve o maior índice da série, desde 2013. Confirmando que o lojista está acreditando e reagindo bem às novas conjunturas políticas e em uma melhora real da economia”, afirma. Ainda de acordo com Adelmir, normalmente o segundo semestre é sempre melhor para a economia do que no início do ano.

O preço médio do presente para o Dia das Crianças foi estimado em R$ 150. O levantamento do Instituto Fecomércio constatou ainda que 32,5% dos entrevistados declararam que devem ampliar seus estoques, este mesmo indicador no ano anterior foi medido em 15% e em 2015 foi medido em 15,3%. O alto investimento em estoques em 2017 reflete uma reação frente a crise econômica ainda enfrentada pelo varejo, com vista à recuperação das vendas.

Consumidor

O Instituto Fecomércio também realizou uma pesquisa sobre a intenção de compra dos clientes. De acordo com o levantamento, 52,5% dos consumidores pretendem comprar algo no período, 38,5% não pretendem comprar e 9% ainda não sabem. Foram entrevistados 400 consumidores. O presidente da Fecomércio, Adelmir Santana, ressalta que no Dia das Crianças deste ano, as preferências do consumidor indicam produtos como brinquedos, com 71,1% das preferências, seguido de vestuário (40,7%) e calçados com (14,2%). O levantamento mostra que o preço médio do presente pretendido pelo consumidor é de R$ 169,19. “Vale ressaltar também que os homens se mostram dispostos a pagar mais pelo presente, na faixa de R$ 206,60. Dessa forma, é bom o lojista investir nos treinamentos de vendas para aumentar o processo de sondagem pelo vendedor de forma a orientá-los para uma abordagem mais direcionada”, destaca Adelmir Santana.

Quanto à experiência de consumo, 50,3% dos clientes apontam o desconto/promoção como o principal fator de indicação de uma loja neste Dia das Crianças, seguido do bom relacionamento (28,3%). Esses são os principais fatores para recompra. Isso indica que o consumidor buscará uma experiência econômica, mas não menos positiva no atendimento. Quando analisado os fatores que influenciam no índice de rejeição, ou seja, desistência de compra pelo consumidor, o “preço alto” (45,3%) foi o fator mais apontado, seguido de “relacionamento ruim com o vendedor” (39,3%). Isso indica a importância que o consumidor dá no preço e na qualidade do atendimento.

Fonte: Fecomércio

3 de outubro de 2017