Concursos públicos: 5 atitudes para ser produtivo estudando em casa

Hábitos de organização e gestão do tempo ajudam quem se dedica a se tornar servidor público.

studar em casa é a realidade da maioria dos concurseiros. Para que a empreitada funcione e seja produtiva, são necessários alguns cuidados com o ambiente e as atitudes. Acima desses aspectos, está a habilidade de autogestão e autonomia, competências essenciais a qualquer estudante e que não são ensinadas na escola.

A coluna Vaga Garantida separou cinco dicas para que o estudo em casa se torne agradável e eficiente. São ações simples que, colocadas em prática, geram resultados rápidos e consistentes.

1 – Monte um ambiente aconchegante

Pode ser um canto do quarto ou um cômodo inteiro. Os critérios de um ambiente agradável de estudo incluem boa ventilação, iluminação – de preferência natural –, cadeira com características ergonômicas e organização.

A escolha dos objetos e das informações que ficarão visíveis precisa ser simples para evitar a poluição visual. Por isso, é importante ter sobre a mesa apenas o necessário e agir dessa maneira com o que for decorar o ambiente ou o que for colocado nas paredes ou painéis.

Ter uma garrafa de água disponível reduz a necessidade de deslocamentos e incentiva a hidratação, item relevante para o bom funcionamento cerebral. Também colabora para o aprendizado dispor de uma luminária de mesa para os horários em que não há luz do sol ou que a lâmpada é insuficiente. Falta de claridade provoca sono e sobrecarrega a visão.

2 – Compromisso com o horário

A construção de um hábito pressupõe a repetição e é mais assertivo quando executado no mesmo horário. A regra vale para os horários de dormir, levantar, fazer refeições e, claro, estudar. O quão mais preciso for o padrão, melhor serão os benefícios.

A definição dos momentos de estudo leva em consideração a rotina da casa, de trabalho dentro e fora da residência. É natural que, em um primeiro momento, a seleção passe por ajustes até que seja encontrado aquele tempo que melhor funcione.

Quem se dedica exclusivamente aos estudos tem uma quantidade maior de tempo, o que pode ser uma grande vantagem, por um lado, e um enorme desafio por outro. O risco de perder longos períodos com atividades desnecessárias e se render às distrações é significativo. A determinação de regras de autofuncionamento – sempre com respeito aos próprios limites – costuma ser a saída mais acertada.

Outro aspecto pertinente sobre o tempo é explorar os períodos de mais disposição e energia. Aqueles que estão com a agenda mais livre têm maior poder de escolha. Entretanto, os que possuem compromissos ao longo do dia e estudam à noite podem explorar esse recurso observando seus níveis de disponibilidade para organizar as disciplinas a serem estudadas.

3 – Gerencie as distrações

Tudo pode se tornar uma distração em casa: a televisão, a internet, a cama, o sofá, a geladeira… além das demais pessoas que dividem o mesmo espaço. O que é pouco trabalhado é a consciência de que, apesar de disponíveis, as distrações podem e devem ser abstraídas durante os estudos.

Fones de ouvido com músicas instrumentais, de idiomas diferentes do português ou sons binaurais abafam ruídos externos e colaboram para a concentração. Estabelecer intervalos a cada duas horas, no máximo, permitem colocar na agenda o aproveitamento dos locais na casa que trazem conforto e descanso para jornada de preparação.

4 – Defina hábitos produtivos

Algumas pequenas ações têm a capacidade de serem determinantes para a produtividade. Boa parte delas tem a ver com tomada de decisões antecipadas e planejamento. Até se tornarem hábitos, exigem maior força de vontade e energia, porém, se tornam automáticas com o tempo e a persistência.

Atitudes como separar os elementos do guarda-roupa que serão usados durante a semana – ou pelo menos na véspera –, deixar os objetivos que serão levados para o trabalho organizados e prontos próximos à porta de saída, preparar refeições antecipadas e congelar, algo que também vale para os lanches. A partir desses exemplos, é possível estabelecer uma rotina de ganho de minutos preciosos.

5 – Projeto de família

Boa parte dos concurseiros divide a casa com familiares e necessita da colaboração para que o projeto avance até a aprovação. Envolver os parentes em prol de um compromisso comum por meio de negociações é a estratégia mais sábia.

Entretanto, mais impactante que os acordos feitos está a demonstração do acordo consigo mesmo. A congruência entre o que se é dito com as ações promove as melhores consequências. A convivência familiar é também uma prioridade, e a harmonia impacta diretamente no proveito dos estudos.

Com informações do Metrópoles

17 de junho de 2019