De autoria do deputado Robério Negreiros Projeto de Lei visa priorizar diabético em exame com jejum

Está em tramitação na Câmara Legislativa do Distrito Federal, um projeto de lei que propõe tornar obrigatório o atendimento preferencial a diabéticos em laboratórios, público e privado, de análises clínicas, no caso de realização do exame exigir jejum. Segundo o Projeto Lei nº 429/2019, de autoria do deputado distrital, Robério Negreiros (PSD), alguns exames exigem restrição de alimentação por períodos longos, que podem variar de duas até 12 horas.

De acordo com o deputado, se ao tempo de jejum for somado o de espera ou fila de um laboratório, o diabético corre o risco de desenvolver um estado de hiper ou até de hipoglicemia. “O exame consiste na coleta de uma amostra de sangue após jejum de 8 horas. No entanto, ao chegar ao local de coleta do exame, a demora no atendimento é tão grande que pode levar os pacientes a terem uma crise de hipoglicemia, e o objetivo da proposição é exatamente evitar que isso ocorra”, ressaltou.

O diabetes lesiona os vasos sanguíneos, fazendo com que os mesmos se estreitem e, portanto, restrinjam o fluxo sanguíneo. Uma vez afetados os vasos sanguíneos pelo corpo, as pessoas podem apresentar complicações e alguns órgãos, incluindo, cérebro, causando acidente vascular cerebral; olhos (retinopatia diabética), causando cegueira; coração, causando ataques cardíacos; rins (neuropatia diabética), causando doença renal crônica; nervos (neuropatia diabética), causando diminuição da sensibilidade nos pés.

Níveis elevados de glicose no sangue também causam distúrbios ao sistema imunológico do organismo; assim, pessoas com diabetes mellitus são particularmente suscetíveis a infecções bacterianas e fúngicas.

Os dados encontrados para o CENSO-IBGE – 2010, apresentou aproximadamente 12 milhões da população brasileira são diabéticos.

Para Robério Negreiros, a priorização no atendimento aos pacientes diabéticos, contribuirá para que sejam observados os cuidados que eles devem tomar quando necessitarem de exames médicos que exijam jejum prolongado. “Mais de 10% dos brasileiros sofrem com diabetes. Essas pessoas precisam estar amparadas. É preciso garantir atendimento digno e não é digno uma pessoa, que não pode ficar sequer três horas sem comer, ficar 12 horas sem se alimentar e depois, ter de aguardar na fila”, frisou.

A proposta prevê, também, advertência em caso de desrespeito da prioridade e multa de R$ 5 mil reais. Em caso de reincidência, multa em dobro, de R$ 10 mil reais, chegando até mesmo à suspensão do alvará de funcionamento.

 

Com informações da assessoria de imprensa do deputado distrital Robério Negreiros

28 de maio de 2019