Eliana Pedrosa pode ser o nome do PMDB na chapa majoritária de 2018

O tabuleiro do xadrez político do DF para a sucessão de Rodrigo Rollemberg está longe de ganhar uma configuração definitiva, por mais que se tente falar o contrário, com o pipocar de possíveis chapas, mas pouco prováveis. Dentro desse emaranhado de especulações, uma delas merece ser analisada com mais profundidade: a possível filiação da ex-deputada Eliana Pedrosa ao PMDB.

Num primeiro momento, poderia ser apenas mais uma forte candidata a deputada federal ou distrital. Mas não é só isso. O PMDB do Distrito Federal não trabalha com a hipótese de ficar fora de uma chapa majoritária em 2018. Se antes era o dono da bola, e não abria mão do nome do ex-vice-governador Tadeu Filippelli como candidato a governador, o partido agora baixou um pouco a bola, mas não entregou o jogo. Quer uma vaga na chapa majoritária, e este nome pode ser o de Eliana Pedrosa, neste caso como candidata a vice-governadora.

Eliana Pedrosa está sem mandato depois de apostar numa aliança com o ex-governador José Roberto Arruda nas últimas eleições. Seria a vice de Arruda. Mas seu partido na época, o PPS, vetou o casamento, numa imposição do presidente nacional Roberto Freire, que antes tinha um bom relacionamento com Arruda, mas hoje não quer sentir nem o cheiro.

Boa de campanha e de articulação, Eliana Pedrosa poderá ser a aposta do PMDB para não ficar longe do poder. Contatada por telefone pelo Extrapauta na tarde desta quarta-feira, a ex-deputada distrital alegou estar no aeroporto embarcando para São Paulo e que por esse motivo não poderia falar muito. Admitiu que tem conversado com o PMDB e também com outros partidos. “Estou num momento de avaliação do cenário e meu prazo limite é o que estabelece a lei eleitoral”, disse enigmática. Sobre a inclusão de seu nome numa chapa majoritária, Eliana Pedrosa não confirma, mas também não nega. “É sempre bom ser lembrada”, encerrou.

Filippelli também foi procurado pelo Extrapauta, mas até ontem à noite não retornou as ligações. Porém, pessoas próximas a ele já admitem que o sonho de disputar o Palácio do Buriti ficou mais distante para Filippelli desde que as acusações de irregularidades na obra do estádio Mané Garrincha atingiram em cheio o ex-vice-governador. Mas, como bom jogador, seja de xadrez, seja de futebol, Filippelli não abrirá mão de participar da montagem do tabuleiro, tampouco de garantir um nome do PMDB no time da majoritária de 2018. E Eliana Pedrosa pode ser esta peça. Este jogador. Ou melhor: este, ou esta, candidata.

9 de agosto de 2017