Esforço físico no trabalho não é sinônimo de boa saúde

É senso comum que trabalhar na construção civil exige mais esforço físico do que o expediente diário em um escritório. Partindo dessa premissa, pedreiros, por exemplo, fazem bem mais exercício físico do que atendentes de telemarketing. Nesses casos, face ao esforço desprendido eles (pedreiros) deveriam ser hipersaudáveis, certo? Mas não é bem assim.

Cientistas holandeses elaboraram um estudo falando justamente sobre esse “paradoxo do exercício físico”, ou seja, como ele pode ser prejudicial se fizer parte do seu trabalho, mas benéfico se realizado no tempo livre. E Pieter Coenen, um dos autores do estudo, comenta: “Se você sair para uma corrida por meia hora no seu tempo de lazer, isso aumenta sua freqüência cardíaca e você se sente bem depois. Mas, quando se está fisicamente ativo no trabalho, é um tipo muito diferente de atividade. Você trabalha oito horas por dia levantando, fazendo movimentos repetitivos, além de ter períodos de descanso limitados”.

Ou seja, o que era pra estar ajudando o condicionamento de seu sistema cardiovascular, na verdade está sobrecarregando-o. As diretrizes internacionais de saúde pública encorajam as pessoas a passarem meia hora por dia em atividades físicas moderadas para se manterem saudáveis (dependendo do porte físico de cada um, é sempre recomendado consultar um profissional antes de iniciar exercícios).

Mas pesquisas anteriores já mostraram que pessoas que exercem funções fisicamente exigentes no dia a dia não se exercitam em seu tempo livre. Isso acaba causando um risco duplo: “Eles não se beneficiam dos bons aspectos da atividade física como lazer e estão expostos ao risco de atividade física exagerada”, diz Coenen.

Mas essa não é a única explicação. Para realizar a pesquisa, os cientistas combinaram os resultados de 17 estudos anteriormente publicados, analisando dados de quase 200.000 pessoas. A conclusão é que pessoas que trabalham em empregos fisicamente exigentes também levam vidas menos saudáveis: a incidência de alcoolismo e tabagismo era bem maior entre eles, por exemplo.

Em resumo, empregos sedentários são menos perigosos do que aqueles que envolvem muita atividade física. Mesmo se o atendente de telemarketing não se exercitar nenhum diazinho. E, independente do trabalho, o ideal é fazer aquela forcinha para realizar atividade física do jeito certo nas horas livres.

(*) Com informações da revista Super Interessante

 

16 de maio de 2018