Ibaneis solicita, e Funap cede detentos para ampliar SOS DF

Reprodução/GDF

45 detentos do regime semiaberto colaboram com a limpeza de vias e praças públicas e desobstrução de bueiros de Ceilândia Norte, Jardim Botânico e Samambaia. Em parceria com a Fundação de Amparo ao Trabalhador Preso (Funap), o GDF buscou a mão de obra de penitenciários para ampliar o SOS DF, programa emergencial de Ibaneis Rocha (MDB).

Agraciados pela redução de pena – a cada três dias trabalhados, um é descontado no tempo a cumprir encarcerado -, os trabalhadores não recebem salário. A iniciativa é comemorada pelos órgãos distritais por resguardar os cofres públicos e, de quebra, contribuir para a reinserção de penitenciários na sociedade. Todos os detentos cumprem pena na Papuda.

“Com o intuito de ampliar o SOS DF, o governador Ibaneis Rocha solicitou à Funap a utilização da mão de obra dos presidiários. E nós atendemos prontamente o seu pedido”, disse a presidente da fundação, Deuzelita Pereira Martins.

A parceria conta ainda com o apoio do programa Mãos Dadas, criado em 2011 para oferecer trabalho – remunerado ou voluntário – a cidadãos em cumprimento de pena. São pequenas intervenções urbanas, segundo a definição do projeto – e como o realizado pelo grupo de detentos.

A ação conjunta depende da Sesipe (Subsecretaria do Sistema Penitenciário), que realiza a escolta dos reclusos; da Novacap, que cede o equipamento para os trabalhos; e do Corpo de Bombeiros, responsável pelo transporte dos trabalhadores.

Membro do grupo selecionado para os reparos, um detento declarou-se feliz pela oportunidade de colaborar com a cidade. “Não vai ter mais enchente quando chover. Não estou ajudando só a mim. A gente trabalha, se distrai e ainda tenho remissão da pena”, disse, em entrevista à Agência Brasília.

Por Olavo David Neto, sob supervisão.

17 de janeiro de 2019