Nutricionista? Para quê?

Por Luciana Battella

Muitas pessoas pensam que para se alimentar bem basta aumentar o consumo de verduras, legumes e frutas ou fazer uso de alimentos funcionais, como gengibre, suco verde, tapioca etc. Com toda certeza essas ações ajudam muito para uma alimentação saudável. Contudo, a nutrição funcional possui um olhar clínico diferente, pois se preocupa com o bem estar do indivíduo, observa carências nutricionais que possam contribuir para o tratamento e a prevenção de doenças ou até mesmo nos manter saudáveis. É uma nutrição voltada para o bom funcionamento celular. Tudo em nosso metabolismo é feito de nutrientes! O emagrecimento não é o foco único e principal, mas sim a vitalidade positiva, ou seja, sentir-se bem, ter qualidade de vida, e saúde física e mental.

Para um tratamento efetivo, são considerados e tratados, com nutrientes, todos os aspectos clínicos e queixas, como insônia, osteoporose, memória ruim, constipação intestinal, má digestão, inflamações, enxaqueca, performance física e mental, câimbras, entre outros sintomas. Outro aspecto fundamental para efetividade do tratamento é garantir que os nutrientes cheguem até as células, e, para tanto, é preciso ter adequada digestão, absorção, metabolismo e excreção, do contrário, não adiantará alimentar-se com qualidade. Ninguém é o que come! Somos fruto daquilo que comemos, digerimos, absorvemos e excretamos. Os exames bioquímicos complementam ou auxiliam os sinais e sintomas clínicos para que o nutricionista possa definir a inclusão ou exclusão de alimentos e a necessidade do uso de suplementos.

Todos esses aspectos fazem com que o plano alimentar seja extremamente individualizado. Não é baseado em calorias, mas sim, em nutrientes para uma vida saudável. Qualquer pessoa pode ter uma alimentação funcional, contudo, somente o nutricionista é capaz de orientar qual seu plano alimentar adequado.

31 de agosto de 2017