O encanto das máscaras

"Exposição Polpa Moldada para as Artes" mostra  a beleza de 180 máscaras  decorativas feitas em papel reciclado

Por Marcos Linhares

Para quem gosta de máscaras, a “Exposição Polpa Moldada para as Artes”  é um programa singular ao apresentar  180 belas máscaras decorativas feitas em papel reciclado. A Exposição ficará  aberta ao público de quinta a sábado (21 a 23/9), de 9h às 18h, no Espaço Viveiro Cultural/Cooperfênix (Q1 05 lote 1100 Setor de Indústria do Gama). Aberta, gratuita e com Censura Livre, a Exposição integra o projeto “Polpa Moldada para as Artes”, patrocinado pelo Fundo de Apoio à Cultura do DF (FAC-DF), da Secretaria de Estado de Cultura do DF.

A exposição
A Exposição é composta por 180 máscaras produzidas por alunos de oficinas do projeto
“Polpa Moldada para as Artes”realizadas no Gama,  em Ceilândia, em Sobradinho 2 , no Riacho Fundo 2, na Fercal, no Itapoã e na Estrutural.

A máscaras foram produzidas utilizando dois protótipos de um equipamento de polpa moldada (reutilização da polpa do papel, geralmente jornais, para produção em grande escala de artefatos) de baixo custo para produção de artefatos artísticos.No vídeo em anexo, é dada uma demonstração prática e são mostradas peças produzidas com o processo de polpa moldada.

“O equipamento permite replicar de obras artísticas em 3D, esculturas, máscaras, bonecos, brinquedos e adereços cênicos. O objeto mais comum produzido no processo de polpa moldada é a caixa de ovos e atualmente a industria de embalagens tem utilizado a polpa moldada em substituição ao isopor para produção de calços para transporte de materiais frágeis devido a sua resistência, baixo custo de produção e caráter ecológico”, explica o bonequeiro, inventor e produtor executivo do projeto, Marco Augusto Rezende.

Os equipamentos produzidos com recursos públicos serão revertidos ao final da execução do projeto ao FAC para que sejam doados para cooperativas , associações de produtores culturais, artesãos e catadores de materiais recicláveis, conforme manda a legislação.

No Brasil
O inventor também alega que no  Brasil existem apenas equipamentos de uso industrial. “Em nossas pesquisas os equipamentos mais baratos considerados de pequena produção para os padrões industriais custam mais de R$ 100 mil. Nossa proposta visa produzir o equipamentos de baixo custo em duas versões, um de uso manual para produção de réplicas e em pequenas quantidades e outro de uso elétrico para produção réplicas em média quantidade”, revela.

Humanização do Processo
A proponente do projeto, Maísa Angélica,  também pontua que a proposta visa humanizar o processo da polpa moldada, saindo da escala industrial e direcionando o seu uso para as artes, com equipamentos de baixo custo, assim artistas poderão replicar suas obras, produzindo peças leves, resistentes e biodegradáveis, contribuindo com a preservação dos recursos naturais e gerando renda para pequenos produtores.

“A proposta visa humanizar o processo da polpa moldada, saindo da escala industrial e direcionando o seu uso para as artes, com equipamentos de baixo custo.  Assim artistas poderão replicar suas obras, produzindo peças leves, resistentes e biodegradáveis, contribuindo com a preservação dos recursos naturais e gerando renda para pequenos produtores”, enfatiza  Maísa Angélica.

As vantagens da polpa moldada sobre o processo do papel marchê que produz objetos em 3D, é que se pode produzir os mesmos objetos sem adição de nenhum produto, somente água e papel, após o uso a água pode ser reutilizada várias vezes.

Serviço:

O que: “Exposição Polpa Moldada para as Artes” – a beleza de 180 máscaras
decorativas feitas em papel reciclado

Quando:  Aberta ao público de quinta a sábado (21 a 23/9), de 9h às 18h
Onde: Espaço Viveiro Cultural/Cooperfênix (Q1 05 lote 1100 Setor de Indústria do Gama).
A exposição integra o projeto “Polpa Moldada para as Artes”, patrocinado pelo Fundo de Apoio à Cultura do DF (FAC-DF), da Secretaria de Estado de Cultura do DF.

20 de setembro de 2017