Paula Belmonte reúne MEC e UnB para tratar sobre a gestão da universidade

Pedido de audiência da deputada federal foi atendido por ministro. A orientação agora é economizar pelo bem do país

A deputada federal Paula Belmonte foi recebida, nessa última quinta-feira (16), pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, para tratar dos cortes na Universidade de Brasília (UnB) e outros projetos voltados também à primeira infância. A reunião foi marcada logo após a ida do ministro ao Plenário da Câmara dos Deputados na quarta-feira (15).

Também participaram da reunião a reitora da UnB, Márcia Abrahão, o vice-reitor Enrique Huelva e a decana de Planejamento, Orçamento e Avaliação Institucional, Denise Imbroisi. “Sou muito grata ao ministro e toda equipe, que marcaram esse encontro rapidamente e sem objeção. Estamos aqui como parceiros de um projeto maior”, disse a deputada.

O modelo de financiamento das universidades públicas, segundo Weintraub, está falido. Para o ministro, o contingenciamento é uma estratégia do governo para uma mudança. “Não fiquem pessimistas. A UnB é uma universidade muito boa em termos de América Latina, mas precisamos de pelo menos três universidades entre as melhores do mundo”, explicou.

Com a mudança, o governo sinaliza novos meios de capitalização de recursos privados para as instituições de ensino superior. Um projeto de independência e autonomia financeira para as instituições de ensino. O único pedido do ministro da Educação foi para que os cursos de graduação continuem a ser gratuitos para os universitários.
“O empreendedorismo é um grande desafio. Mas é claro que as universidades precisam de suporte jurídico e do governo para essa transição”, alertou Paula Belmonte.

A reitora da UnB pediu atenção ao ministro a contratos importantes em andamento no campus. Destacou, ainda, os projetos de pesquisa já financiados, que demonstram a importância do ensino superior público no Distrito Federal. “Somos a oitava universidade do país e a 19 da América Latina. Em cinco anos, produzimos mais de 3,5 mil projetos de pesquisas, além das inúmeras publicações em revistas nacionais e internacionais. Estamos entre as 800 melhores universidades do mundo”, destacou.

De acordo com o ministro, nenhuma atividade será paralisada na Universidade de Brasília e os contratos serão revistos pontualmente. “Tudo é importante, mas precisamos priorizar. Neste momento, será preciso fazer escolhas”, alegou o representante da pasta no país. O ministro Weintraub informou que as bolsas da Capes que foram suspensas são as vacantes e com notas baixas, 3, 4 e 5 proporcionalmente.

O diálogo da UnB com o MEC começou ainda em abril deste ano, quando o bloqueio foi percebido pela universidade, no dia 23 desse mês. O deputado federal professor Israel e representantes da senadora Leila Barros e das deputadas Flávia Arruda e Celina Leão também participaram da reunião no Ministério da Educação.

Primeira Infância
Na ocasião, a deputada federal Paula Belmonte aproveitou para entregar em mãos ao ministro a indicação do Empreendedorismo, Administração Financeira e Cidadania para as salas de aula, indicação do Biênio da Primeira Infância, o PL do Biênio da Primeira Infância e o planejamento na Coordenadoria da Primeira Infância.

Todos projetos voltados à pauta prioritária da parlamentar, o ensino e a valorização dos primeiros anos de vida. “No que diz respeito à primeira infância e à educação, estou inserida como representante do Legislativo. É muito importante que a sociedade saiba o que está acontecendo no Brasil, as mudanças necessárias para o desenvolvimento. Contamos com o MEC na atenção a esses pontos”, confirmou Paula Belmonte.

 

Com informações da assessoria de imprensa da deputada federal Paula Belmonte

17 de maio de 2019