Preço do petróleo despenca mais de 20% e barril vai a US$ 35

Os preços internacionais do petróleo vêm caindo há semanas por conta dos impactos do coronavírus na demanda mundial do produto
cotação internacional do petróleo sofreu a maior queda intradiária dos últimos 11 anos neste domingo (8/3). O preço do barril, que já caiu 10% na última sexta-feira (6), despencou mais de 20% na abertura dos mercados asiáticos. Com isso, o barril já está sendo negociado a US$ 35.
O preço diz respeito ao Petróleo Brent – um petróleo cru que é usado na produção de combustíveis e começou o ano com o barril cotado a US$ 66.
Os preços internacionais do petróleo vêm caindo há semanas por conta dos impactos do coronavírus na demanda mundial do produto. E passaram a afundar na última sexta-feira em decorrência do racha da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).
Tudo começou quando a Rússia não aceitou a proposta da Opep de reduzir a produção para tentar conter a queda dos preços do petróleo causada pelo coronavírus. A falta de acordo fez a cotação do barril sair dos uS$ 49 para US$ 45 na última sexta-feira. E agora essa cotação está caindo mais porque a Arábia Saudita indicou que vai responder a Rússia com um grande aumento de produção. A medida pode inundar o mercado de petróleo e levar o preço do barril para perto dos US$ 20, em uma tentativa das autoridades sauditas de forçar a Rússia a rever seus planos de produção de petróleo.
O patamar, contudo, preocupa investidores de todo o mundo. E pode afetar até os negócios brasileiros. Afinal, esse preço tira rentabilidade da produção do pré-sal e, por isso, atinge a Petrobras.

“O petróleo vai continuar caindo e isso puxa a Petrobras para baixo. E, como tem um preço significativo no índice Ibovespa, a Petrobras acaba puxando tudo para baixo na Bolsa”, alertou o economista-chefe da Nova Futura, Pedro Paulo Silveira, indicando que a Bolsa de Valores de São Paulo deve ter mais um dia de muito nervosismo nesta segunda-feira (8), mesmo com a intervenção do Banco Central, que prometeu vender US$ 1 bilhão em reservas nesta segunda para tentar conter a alta do dólar na manhã desta segunda.

Com informações do CorreioWeb
9 de março de 2020