Ronny Peterson abre Aroma, casa multicultural na 407 Sul

Depois de comandar Gero e ‘A Mano, chef nascido em Pernambuco aposta em negócio próprio com diversas referências

Após trabalhar com cozinha italiana por um longo período, tanto no Gero como no ‘A Mano, o chef Ronny Peterson volta a suas raízes brasileiras e aos conhecimentos da cozinha clássica francesa para dar o tom do cardápio de sua nova empreitada.

Aberto há poucos dias na comercial da 407 Sul, o Aroma tem um pouco de tudo, mas não deixa que a criatividade se perca em firulas desnecessárias.

Na verdade, traz um bocadinho de invenção para uma cidade que anda bem necessitada de boas novidades.

É verdade que, por aqui, casas de gastronomia são abertas quase todos os dias, mas muitas patinam, especialmente por não oferecerem uma comida realmente boa.

O menu

Neste quesito, o pernambucano Ronny deu um tiro certo. A prova já começa com tapioca tingida por tinta de lula com creme de bacalhau e tapenade, bocadilho para comer com as mãos mesmo, enquanto se aguarda as entradas.

Batata Aroma mistura defumado e trufa (Fotos: Gui Teixeira/Luciana Barbo)

Provei a batata rústica com queijo de cabra, gema caramelizada e trufas negras (R$ 46), que leva o nome da casa e chega à mesa com redoma de vidro para guardar uma fumaça que traz mais uma nuance sensorial para o prato.

A massa fresca recheada com polenta e brie (R$ 67) da foto acima seria “carboidratamente” redundante e chata se não fosse acompanhada por um ragu de galinha d’angola bem temperado e pelo crocante de quiabo, meu elemento favorito. Comfort food na veia.

Já a barriga suína marinada com cachaça, melaço de cana e creme de milho trufado (R$ 83) é outra boa surpresa, ainda mais se a pele estiver crocante.

Terminei com o bolinho quente de milho verde cremoso (R$ 33) que, sozinho ou com com um cafezinho, já me bastaria. Mas devo reconhecer que o doce de leite e o sorvete de tapioca elevam a experiência e, vamos combinar, a contagem das calorias, para outro patamar.

Próximas visitas

Vou ter de voltar para provar mais pratos. Fiquei especialmente curiosa pelo polvo braseado com cebola pérola e musseline de baroa com pequi (R$ 84). Também pela releitura da tradicional vaca atolada, com costela angus em crosta de pistache, aligot de mandioca e crocante de batata doce roxa (R$ 72); e o nhoque de banana-da-terra com costelinha de leitoa desfiada e lardo de colonata (R$ 69). Nas sobremesas, a minha curiosidade vai em cima da torta cheesecake com compota de caju (R$ 34).

A casa tem projeto de André Alf e 80 lugares, divididos entre salão principal, varanda a mezanino. E a cozinha é aberta, para que o cliente possa acompanhar mais de perto a magia do ato de servir.

Serviço:
Aroma, por Ronny Peterson
CLS 407, Bloco A, Lojas 34/36
Funciona de segunda a quinta das 12h às 15h e das 19h à meia-noite; sexta a sábado, das 12h às 17h e das 19h à meia-noite; domingo, das 12h às 17h.
Reservas: (61) 99553-7663

27 de novembro de 2019


Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*