Transforme a trajetória em algo bom

Por LP Machado

O que você considera mais importante para a conquista de um objetivo: O primeiro ou o último passo?

O primeiro passo é o de fé, aquele que oficialmente o tira da zona de conforto, a atitude diferenciada. Se você não der o primeiro passo nunca saberá o que haverá adiante. É a matrícula na academia, a decisão de economizar dinheiro ou começar a estudar para concurso público. Não a toa o primeiro passo é, geralmente, o mais desafiador.

O último passo é o mais almejado, aquele que consuma a vitória, o alcance do estado desejado, é a grande conquista. É deixar de visualizar como sonho e contemplar como realidade. É o que alimenta a crença de capacidade e merecimento. É poder celebrar o corpo desejado, a independência financeira ou a posse no concurso público. É o que faz tudo valer a pena!

Show de bola!!! Só que existe algo fundamental entre esses dois pontos. Algo tão importante que, na verdade, é o que fará toda a diferença!!!

No Coaching Integral Sistêmico aprendemos que ter um plano de ação é fundamental para alcançar objetivos. Definimos metas e refinamos ações que projetam um caminho a ser percorrido rumo ao alcance dos resultados. Porém, entre o estado atual e o estado desejado existe muito mais do que o primeiro e o último passo: Existe uma trajetória!

Matricular-se na academia e ter o corpo desejado é fácil. Decidir economizar dinheiro e ter independência financeira é fácil. Decidir estudar para concurso público é fácil. Desafiador é manter firme na trajetória e ainda conseguir enxergá-la como algo bom.

Provavelmente você conhece alguém que até vai para a academia, mas que reclama da dieta complementar. Alguém que até consegue economizar dinheiro, mas que reclama pois tem vontade de gastar. Ou ainda alguém que até estuda com afinco para concurso público, mas que reclama do que deixa de fazer para estudar.

Para essas pessoas a trajetória torna-se um sacrifício, uma provação, uma verdadeira penitência. E é lamentável, pois pessoas assim padecem pela imaturidade e falta de inteligência emocional. É tudo uma questão de ajuste da perspectiva. Se a perspectiva dessas pessoas mudar de modo que elas passem a enxergar a trajetória como algo bom tudo fica mais simples e prazeroso.

O maior coach do Brasil e meu amigo Paulo Vieira diz que “a vontade de se preparar tem que ser maior do que a vontade de vencer” e eu concordo totalmente com ele. Pagar o preço da preparação não precisa ser algo pesado ou negativo. É totalmente possível pagar o preço da preparação de forma leve e positiva. E vou além, afirmando que deixa até de ser um preço a ser pago, torna-se diversão.

Quer saber se você está realmente enxergando a trajetória como algo bom? Questione-se: Você está se divertindo? As ações que o aproximam do seu objetivo são executadas com felicidade? Ou você executa ações esperando ser feliz só quando alcançar o objetivo? Caso não esteja é hora de ajustar a perspectiva. Aprenda a ser feliz durante a trajetória.

Não existe o passo mais importante. Mais importante do que o primeiro ou último passo é ser feliz do primeiro até o último passo. Faça valer a pena do começo até o fim. Dê cada passo com alegria, amor, leveza, paz, esperança, foco, flexibilidade e resiliência. Divirta-se no caminho! A chegada é uma consequência. Transforme a trajetória em algo bom e você vivenciará coisas boas antes mesmo que coisas ainda melhores aconteçam!

21 de novembro de 2017


2 Comentário

  1. Também sempre me recordo dessa frase do Paulo Vieira,pois a vontade é o combustível que me manterá viva e atuante até o último passo.
    Show LP!

Comentários não permitidos.